A Música Nunca Parou


Nostalgia. É aquele sentimento quando nos dá quando revivemos alguma lembrança. Quando sentimos algum cheiro que nos remete ao passado ou quando ouvimos alguma música que nos transporta para outros tempos. Gabriel só consegue viver com esse sentimento, conversar, discutir e o mais próximo de uma vida normal.

Vítima de um tumor no cérebro que foi tratado tardiamente, ele acaba perdendo boa parte de sua memória, em que só se lembra do período antes de 1973, quando era adolescente. A música sempre tomou conta de cada fase de sua vida, desde a infância, quando seu pai o ensinava as músicas que marcaram a vida dele, até aquela canção que tocava quando ele conheceu a mãe de Gabriel.

O problema é que por circunstâncias da vida, Gabriel um dia foge de casa e quando os pais o encontram ele já não se lembra de mais nada e não consegue mais guardar novas informações. Eis que surge uma terapia realizada com música que pode ajudar na recuperação dele. O que eles não esperavam é que quando as canções preferidas dele o fizessem voltar a falar e a se lembrar de tudo o que aconteceu em determinado momento.

Com canções de Bob Dylan, The Beatles, The Rolling Stones, Simon & Garfunkel, Crosby, Stills & Nash (and Young), Buffalo Springfield e a banda preferida de Gabriel, o Grateful Dead, o filme é embalado de muita música boa e todas com o seu significado. O pai de Gabriel e que detestava todas essas bandas, se vê obrigado a mergulhar neste universo pra ter um relacionamento com ele, principalmente porque ele não entendia que as músicas de sua vida não eram as mesmas da de seu filho.

Como não encontrava a trilha pra ouvir em nenhum serviço de Streaming, montei uma playlist no Spotify com algumas canções dos filme. Aqui dá pra conferir as músicas que Gabriel ouvia na infância, até as bandas que marcaram sua adolescência (com exceção de The Beatles, claro):



"A Música Nunca Parou" é um filme que fala sobre memórias, a importância das canções para a construção de nossa visão sobre o mundo e sobre o que representamos.

0 comentários:

Postar um comentário